• FB22
  • Dinamica108
  • Leo Lanches65

PUBLICIDADE
05/07/2017 19h07

'A máfia nunca perdoa e nunca te esquece', diz jornalista que cobre narcotráfico na fronteira de MS

Midiamax


Cândido Figueredo cobre narcotráfico na fronteira do Paraguai com MS

O jornalista paraguaio Cândido Figueredo Ruiz, correspondente do ABC Color, denunciou negócios da droga e cumplicidade política na cidade de Pedro Juan Caballero, na fronteira entre o Paraguai e Mato Grosso do Sul, no Brasil. Suas revelações o levaram a viver com a custódia permanente e sob constante ameaça.

 

"A coisa mais terrível é auto-censura", diz ele, que após décadas cobrindo o narcotráfico no lado paraguaio da fronteira sul-mato-grossense, sentencia: "Nenhuma notícia vale uma vida".

 

Em 2015 ele recebeu o Freedom International Press, e recentemente esteve em Buenos Aires, na Argentina, para o lançamento de um convênio entre o Comitê para Proteção de Jornalistas (CPJ, na sigla em inglês) e o Centro para a Abertura e Desenvolvimento da América Latina (CADAL). Na ocasião, foi entrevistado por colegas do portal 'Analisis Latino' e autorizou o jornal Midiamax a reproduzir o conteúdo:

 

Você denuncia a cumplicidade entre o poder político e o tráfico de drogas no Paraguai. Até que ponto você sente que a sua investigação compensa?

 

A verdade é que muito pouco efeito surge. Anteriormente um chefe do narco em uma campanha da cidade pagando contas em troca de favores políticos quando eles chegaram ao poder. O que é surpreendente é que agora, a máfia já não funciona dessa maneira, mas coloca diretamente pessoas que você confia para se intrometer na política. Ele aprendeu suas campanhas e acabam por ter seu próprio representante no Congresso. E isso faz com que seja muito mais difícil. No entanto, isso não deve nos impedir de publicar ou a acreditar que algum dia isso terá efeito. Apesar de não ter muito resultado, eu sinto que eu fiz a minha parte. Isso é importante para mim como jornalista, que fiz minha parte e não me calei. E eu não vou me calar, vou continuar trabalhando mesmo que custe muito.

 

Quando se fala de crimes perfeitos que existem no Paraguai, você está se referindo a cumplicidade entre o poder político e o tráfico de drogas?

 

Narcopolíticos dividem o crime perfeito em duas questões. Narcopolítico é uma questão muito atual em nosso país. É algo real, que já matou pessoas e criou a impunidade para os membros. O crime perfeito é o que as máfias fazem e isso é porque os ramos do governo não funcionam. Há um poder político mafioso que faz com que todos os fatos de grupos criminosos não sejam investigados. Então nós temos uma narcopoliticas que está crescendo no país e os resultados são mais perfeitos a cada dia, porque as mortes não são investigadas. Não há vontade política para resolver os problemas de tráfico de drogas. Pelo contrário, em um momento como o agora, de eleição, eles estão atrás do dinheiro da droga suja para fazer campanha.

 

Em várias ocasiões, ele disse que se sentiu como refém em sua aldeia, como se eu vivesse em uma prisão. Você acha irônico que muitos daqueles que investigou e denunciou são livres?

 

Isso se deve ao ambiente de corrupção em que não está não apenas o Paraguai, mas o resto da América Latina. Os traficantes de drogas facilmente lidam com um monte de dinheiro e compram a justiça. Como jornalistas, estamos jogando com uma "empresa" que gera milhões de dólares. Cada vez que escrever algo contra eles, o governo e as autoridades necessariamente tem que fazer alguma coisa, pelo menos para cobrir o meio ambiente. Durante a investigação, os mafiosos não funcionam. E isso gera milhões de dólares em perdas. Então, vão nos intimidar, ameaçar por telefone, pela Internet. Não podemos dar ao luxo de sair tanto. Nós sabemos o que pode acontecer, porque já matou muitos jornalistas.

 

Quais são as medidas tomadas para proteger além custódia da polícia?

 

Ando com colete à prova de balas e tenho uma arma que me acompanha em todos os lugares. Mas a coisa mais terrível é auto-censura. Tenho assuntos que poderia publicar e tenho certeza de que em menos de 24 horas, por mais guardas que tenha, poderiam me matar porque geraria um conflito muito grande. Essa é a mais dolorosa, porque às vezes você tem coisas que realmente pode revolucionar, mas sempre coloco na balança: Vou sair vivo dessa? Porque nenhuma notícia vale uma vida. O importante é que o jornalista vá, faça seu trabalho e possa sair vivo. Não vale a pena ser um mártir. Nós não precisamos de mártires jornalistas, necessitamos de jornalistasativos, que denunciem com inteligência os fatos.

 

Tiroteios, além de casa e seu carro, qual foi a pior ameaça que eles fizeram?

 

As chamadas telefônicas são os piores que existem. Te chamam de madrugada e dizem "Che, busque um pão de Natal no supermercado que está em oferta. Aproveite já, porque você não deve chegar ao Natal", e eles cortaram. Ou "Que sorte você tem, pode escolher em ir para a gaveta que vai usar."

 

Ante o perigo constante, como é o seu relacionamento com sua família?

 

Com minha esposa, "graças a Deus", não tem filhos, porque se tivéssemos crianças, não poderíamos fazer o trabalho que fazemos. Porque os traficantes de drogas procuram tocar na parte que afeta. Ela está presa comigo, sabe como lidar com uma arma, como se defender, se necessário. Tenho uma família de seis irmãos e duas irmãs. Não temos nenhuma relação, mas só através de uma sobrinha. Ela é, às vezes me conta. Mas não temos um relacionamento para evitar esse problema.

 

Você já os ameaçou?

 

Uma vez publiquei um material sobre um traficante de drogas que havia participado de um assalto a um banco. Nós escrevemos essa nota e eu senti que algo estava para acontecer. Eu disse à polícia que deixou a cidade. Voltamos no início da noite e encontrei minha mãe na minha casa chorando. E ela me diz que cinco homens armados com metralhadoras levaram o meu irmão. Ameaçaram toda a família, minha mãe. Como eu sou do lugar, sei como pensa um traficante, como ele age. Apenas me identifiquei e ele disse: "Sim, você vai vir aqui e me contar tudo. Senão a sua família vai pagar. " Eu disse: "Vou fazer um grande favor porque eu não tenho contato com eles." O cara ficou surpreso. Depois daquela situação, todos os meus parentes não têm contato comigo. Inclusive dizem que não estão de acordo com o que eu escrevo. Esse relacionamento familiar pode ser mais forte do que aquilo que eu enfrentei.

 

Como se relaciona com os seus amigos?

 

Não tenho amigos. Eu não tenho um relacionamento, não tenho visitas domiciliares. Muitos não querem ir. Alguns vão falar no telefone, mas ninguém quer vir. Amigos, nesse aspecto, eu não tenho. Eu não tenho vida social. Eu nunca irei a um aniversário, eu nunca estou indo para um casamento, eu nunca posso me sentar na calçada em frente da minha casa. Eu nunca posso ir a um bar para tomar um vinho ou comer uma pizza. Isso é impensável para nós.

 

Com o que começou ameaças de investigações contra ele?

 

Ao lado da casa da minha mãe era um lugar comercial que foi fechado. "Parece que eles vão colocar um funeral", disse ele. No dia seguinte ele me ligou e disse que na manhã metralharam o lugar e quebrou as portas. Fui ver. Comecei a pesquisar. O proprietário foi um dos maiores traficantes de drogas no Brasil. Ele tinha um irmão que era médico. Recebendo qualquer cadáver, eles limparam dentro e fez um documento falso do falecido. À medida que o funeral era legal um carro fúnebre transportando um cadáver e foi para San Pablo. A polícia parou, apresentou documentos e uma mãe que chora com o cadáver. A polícia abriu, viu um cadáver e fechado. Mas eles removeram os órgãos e cheio de cocaína. Quando descobrimos toda a questão, fizemos uma série de notas. A polícia descobriu e parou o carro fúnebre. Eles correram para o hospital e descobriu que o corpo estava cheio de cocaína. Pouco depois eles começaram metralhar.

Ao estar isolado, como você acessar as fontes?

Muitas vezes eu saio apenas para fazer entrevistas. Mas meus guardas sempre sabia onde estava. Eu era o único jornalista de toda a América que fez uma entrevista cara a cara com Fernandinho Beira-Mar. Entrevistei quatro dos narcotraficantes mais procurados pelas autoridades policiais. Como faço para começar? Ele sabia da nossa credibilidade e nós fomos os que mais publicamos sobre o tráfico de drogas. uma vez que eu conversei com um secretário de um traficante de drogas que a polícia estava procurando. Eu consegui para coordenar a reunião através dele. O cara me disse que eu tinha que ir sozinho. Às vezes você tem que tomar riscos. Nós concordamos que os amigos traficante passou a olhar. Eu fui de carro para carro, me vendaram, entrei em um avião ... Muitas outras vezes eu disse a meus oficiais para ir comigo para lugares mas em outros carros, seguindo de perto. E a fonte não é possível identificar que há uma polícia mina em outro carro. É uma aventura quando você está à procura de material sobre drogas submundo do tráfico ou temas. Existem muitas fontes. Gerenciamento de contatos é o mais importante.

 

Como a sociedade convive com o tráfico de drogas?

 

Traficantes de drogas são muito bonitos e inteligentes para assustar as pessoas. Normalmente uma pessoa vê um narco matando alguém e, em seguida, vem a polícia e diz que não viu nada. Ninguém quer se envolver. Porque ele sabe que se ele diz alguma coisa no dia seguinte eles podem matar. Há um grande temor. Há muitas dificuldades em uma população onde o dinheiro da droga move quase metade de economia da cidade. É muito difícil trabalhar nesse ambiente.

 

O que continua a motivar a escrever sobre temas que o colocaram em risco e, portanto, em um ambiente tão hostil?

 

Eu nasci nessa terra. Quando fui para a escola, aos sete anos, não era incomum encontrar corpos que ainda tinham a faca cravada nas costas. Havia um café do contrabando com uísque, as armas ... Ninguém nunca levantou a voz naquela cidade. Sempre vi a injustiça e eu ia fazer alguma coisa. É meu dever como cidadão. Eu não têm como voltar atrás. Para mim, eles me condenaram à morte. Estou condenado a morte, podem me matar quando quiserem, não importa quanta custódia tenha. A máfia nunca vai perdoar e nunca se esquece.

 

Então, não pensa em parar de investigar?

 

Levamos um dia de cada vez. Falta três anos para me aposentar do jornal. Algum dia eu vou ter que sair, mas ninguém quer fazer o meu trabalho.





Comentários



Atenção: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Laguna Informa. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Laguna Informa poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.


enquete

Qual é o seu maior desejo para o Ano Novo?

  • Encontrar um novo Amor
  • Dar uma guinada na vida profissional
  • Viajar
  • Perder os quilos extras
  • Mais saúde
  • Ainda não sei


PUBLICIDADE
  • Pax Primavera102
  • Dinâmica e solução tecnologias103
PUBLICIDADE PUBLICIDADE