Governo anuncia reajuste zero e manutenção de abono por 12 meses

Executivo reafirmou que já está no limite prudencial



O secretário estadual de Administração Roberto Hashioka informou há pouco que os servidores públicos não receberão reajuste salarial e o governo vai prorrogar o abono de R$ 200 por mais doze meses, até maio de 2020.  “Para que o abono fosse mantido o governo terá que fazer corte de gastos para não ultrapassar o teto, mas as negociações continuam”, explicou Hashioka durante reunião na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul. 

Segundo o secretário de Administração, o reajuste zero ocorreu em razão do governo do Estado estar já no limite prudencial. Ele explica que esse abono salarial de R$ 200 por doze meses é muito importante para servidores que recebem menos de R$ 2 mil.“Abono muito importante para as menores faixas salariais, esses R$ 200 reais representam 13% para o servidor que ganha R$ 1,5 mil e para os que ganham R$ 2 mil representa 10%”, explicou.

Ainda de acordo com informações de Hashioka, as negociações com os servidores continuam e as agendas com os sindicatos acontecerão nas próximas semanas. "Não poderemos gastar mais do que foi realizado em 2017, corrigido pelo IPCA em 2018, já na nossa projeção, mantendo o abono, estaremos superando esse teto. Temos que cortar no custeio, na superação do teto impactaria no serviço da dívida e hoje nós cumprimos R$32 a R$ 34 milhões no serviço da dívida, se superar o teto de gastos nós passamos a pagar o serviço da dívida mais de R$ 100 milhões mensais e seria impraticável para o Estado, então temos que cortar no custeio", justificou o secretário.

Sobre a receita do Estado, Hashioka afirmou que ela foi positiva quando comparada com os meses de janeiro e fevereiro. "Março já foi empate e já passa a ser negativo, em termos de valores reais, no mês de abril tivemos queda de receita de 5,6% que representou R$ 46 milhões e no mês de maio não temos projeção de mais de 20% da queda de receita comparado com 2018 que é muito preocupante porque todos os indicadores que temos visto na economia, o PIB que projetava 2,5%, se fala em 1,2% e sem crescimento econômico não tem reajuste de receita e essa é a preocupação do governo, devido a revisão anual não temos condição de fazer reajuste”, completou Hashioka ao justificar o reajuste salarial que não foi concedido aos servidores estaduais. 

A proposta do governo do Estado para prorrogar o abono de R$ 200 foi encaminhada, por meio do secretário da Secretaria de Governo (Segov) Eduardo Riedel e por Hashioka, à Assembleia Legislativa na manhã desta quarta-feira (22). O presidente da Casa de Leis, deputado Paulo Corrêa (PSDB) adiantou que o projeto tramitará no Legislativo e poderá ser apreciado ainda essa semana. "A Assembleia é a ressonância do povo, montamos comissão e o que conseguimos foi trazer em primeira mão a prorrogação de doze meses do abono", finalizou Corrêa.

 

Fonte: Correio do Estado

 

COMENTÁRIOS


  • Dinâmica e solução tecnologias9
  • Pax Primavera10