Índia que ligou para irmã durante o próprio velório reencontra família


Por Dourados News

Foto: TV Morena/Reprodução

O corpo de Cristina Oliveira, está sendo velado na aldeia Bororó em Dourados, O corpo da mulher estava sendo velado pela família de Rosicléia Silva, na manhã desta terça-feira, dia 29 de janeiro. A irmã reconheceu o corpo através de uma foto, e a família estava em meio ao velório quando Rosicléia ligou para a irmã, avisando que estava viva. Após comunicar o fato aos parentes, o velório foi cancelado e o corpo devolvido ao IML (Instituto Médico Legal).

Cleusa, irmã de Rosicléia, disse que reconheceu o corpo através de uma foto enviada por líderes indígenas. Ela pensou ser a irmã, que não dava notícias há alguns dias. Ela disse que confundiu-se porque o rosto estava machucado. Rosicléia reencontrou a família na aldeia Bororó na tarde desta terça (29), e contou que estava trabalhando em uma fazenda em Fátima do Sul, cidade próxima a Dourados. Ao saber do velório, correu para entrar em contato: "Foi um susto", relatou.

O corpo que estava sendo velado, ao retornar ao IML passou por exame de papiloscopia, e foi constatado pelos peritos que tratava-se de Cristina. A certidão de óbito foi alterada e o corpo foi liberado para velório, desta vez, da família da mulher morta. Não há informações sobre sepultamento.

Cristina morreu no último sábado (26), após passar uma semana internada sem receber a visita de parentes. Segundo a polícia, ela foi encontrada na rua, com traumatismo craniano, e o rosto muito machucado. A polícia civil agora vai investigar o que aconteceu com a indígena, que morreu aos 48 anos.


COMENTÁRIOS


  • Pax Primavera10
  • Dinâmica e solução tecnologias9