• Câmara Municipal2
  • Dinamica3

Delator diz que PSD deu dinheiro ao PV em 2014 para partido apoiar Kassab

Ricardo Saud afirmou que pagamento foi feito pela JBS, disfarçado de doação oficial. PV-SP negou, acrescentando que doação foi declarada à Justiça; PSD diz que acusação é 'fantasiosa'.


Por G1

O ministro das Comunicações, Gilberto Kassab (Foto: Valmir Custódio/G1)

O delator da J&F Ricardo Saud afirmou na última terça-feira (5), em depoimento à Polícia Federal, que o PSD deu dinheiro ao PV na eleição de 2014 para a legenda apoiar a candidatura de Gilberto Kassab ao Senado – hoje, ele é o ministro das Comunicações.

Segundo Ricardo Saud, o pagamento foi feito pela JBS, empresa do grupo J&F, disfarçado de doação oficial.

Procurado pelo G1, o presidente do PV-SP, Marcos Belizário, negou a acusação do Saud, ressaltando que o PV teve candidato ao Senado em 2014 (Kaka Wera).

Belizário disse também que causa "estranheza" o delator dizer que o repasse foi intermediado pelo PT, uma vez que o PV teve como candidato a presidente Eduardo Jorge e, no segundo turno, apoiou a candidatura de Aécio Neves (PSDB). Segundo o presidente do PV-SP, a doação da JBS ao partido em 2014 foi "oficial, devidamente contabilizada e declarada à Justiça Eleitoral".

Em nota (leia a íntegra mais abaixo), o PSD afirmou que "são fantasiosas as suposições apresentadas" pelo delator, acrescentando que o conteúdo é "inverossímil".

"O PSD nunca vendeu seu apoio, e foi o primeiro partido a anunciar apoio para as eleições presidenciais de 2014, fato que reforça a impossibilidade de que tenha havido 'compra de partido'", diz trecho da nota.

O depoimento

Saud foi ouvido no âmbito da investigação que apura repasses da J&F a Kassab por meio das empresas Yape Consultoria e Yape Transportes.

Nessa investigação, a PF também apura se Kassab recebeu propina para apoiar a candidatura de Dilma Rousseff (PT) à reeleição, em 2014.

No depoimento prestado nesta terça, Ricardo Saud afirmou que o pagamento do PSD ao PV envolveu uma triangulação com o PT:

"[Saud disse] que em virtude da compra desse apoio, Gilberto Kassab, utilizando valores disponibilizados pelo PT determinou à JBS que fizesse uma doação oficial para a comissão executiva municipal provisória do Partido Verde; que foi realizada uma doação oficial no valor de 940 mil na data de 02/10/2014".

Íntegra

Leia abaixo a íntegra da nota enviada pelo PSD:

O ministro desconhece o teor do suposto depoimento mas afirma que são fantasiosas as suposições apresentadas.

A aliança do PSD em São Paulo e a definição da candidatura ao Senado, em 2014, aconteceram no prazo limite estabelecido pela Justiça Eleitoral, o que torna a tese ainda mais inverossímil.

O PSD nunca vendeu seu apoio, e foi o primeiro partido a anunciar apoio para as eleições presidenciais de 2014, fato que reforça a impossibilidade de que tenha havido “compra de partido”.

As doações recebidas pelo PSD foram registradas junto à Justiça Eleitoral e seguiram o estabelecido pela legislação. O ministro sempre pautou sua conduta pelo cumprimento à lei.



  • Dinâmica e solução tecnologias9
  • Pax Primavera10