• Câmara Municipal2
  • Dinamica3

‘Não é só pelo diesel’: em MS, caminhoneiros parados pedem de intervenção a ‘Fora Temer’

Motoristas relatam até pressão para não sair do movimento, que ganha apoio popular em MS


Por Midiamax

Caminhoneiros relatam ameaças a quem "desertar" paralisação (Foto: Henrique Kawaminami | Midiamax)

Iniciada há nove dias, a paralisação dos caminhoneiros, que interditaram estradas Brasil afora contra sucessivas altas do diesel, segue com uma lista de reivindicações que inclui desde ‘intervenção militar’ até a renúncia do presidente Michel Temer (MDB). Ao menos em Mato Grosso do Sul, já que caminhoneiros nos pontos de bloqueio não reconhecem lideranças que assinaram acordo com o Governo Federal.

Há até relatos isolados de suposta intimidação e ameaça. É difícil quem fale abertamente a favor de abandonar a mobilização. Até mesmo o Sindicam (Sindicato dos Caminhoneiros de Mato Grosso do Sul), alinhado à AbCam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros) – que assinou o acordo com o governo -, afirma que a paralisação da categoria deve continuar normalmente.

“Pelo menos aqui, em MS, o movimento preferiu continuar parado. Os integrantes acham que o governo não está sendo honesto e que na redução de 46 centavos anunciada nas refinarias, talvez nem metade chegue nas bombas nos postos de combustível”, comenta Roberto Sinai, integrante do Sindicam-MS. Muitos motoristas, no entanto, dizem que sequer sabem ‘quem é Sinai’.

“Se fosse só pelo diesel…”

Paralisação da categoria chega ao nono dia e caminhoneiros afirmam que seguirão parados (Foto: Henrique Kawaminami | Midiamax)

Durante os 9 dias de protestos, ficou cristalizada a percepção de que a greve dos caminhoneiros não possui comando centralizado.

De motoristas de caminhão autônomos a caminhoneiros empregados em pequenas e grandes empresas, o movimento reúne reivindicações diversas, que podem manter a mobilização, mesmo com os acordos anunciados pelo Governo Federal.

A propósito, a palavra greve é normalmente rejeitada. Por outro lado, as frases de apoio à “intervenção” militar persistem mesmo após o Governo Federal usar, justamente, os militares para desmontar o movimento em diversas partes do Brasil. Além disso, tem quem pede a renúncia do presidente Michel Temer, redução total de impostos e até a volta do voto impresso.

A infiltração de grupos políticos é admitida até oficialmente. Segundo a  AbCam, intervencionistas teriam cooptado as manifestações para fazer oposição ao governo.

“Não tem grevista aqui. Estamos paralisados, é esse o nome. Não tem líder e todo mundo fala por todo mundo”, comenta o caminhoneiro Ademir Junior, que está num ponto de manifestação no posto Caravagio, na BR-163, desde a terça-feira (22).

“Se fosse só pelo diesel, a gente já voltava a trabalhar. Se fosse só pelos caminhoneiros, a gente já teria conseguido o que quer. Queremos a redução dos impostos. Não é só pelos caminhoneiros”, comenta.

A poucos metros, próximo a uma faixa com os dizeres “intervenção militar já”, outros caminhoneiros não querem dar nomes, mas falam que a redução do combustível não é suficiente.

“Os pedágios são muito caros, cobram da gente até eixo erguido. Queremos que a categoria seja realmente beneficiada, somos muito explorados”, comenta um manifestante que parou no posto na segunda-feira (21) à tarde.

Bloqueios e ameaças

Em Mato Grosso do Sul, de acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federeal), havia até a noite da segunda-feira (28) seis pontos de bloqueio, no qual caminhoneiros só passam por escolta. Mas os motoristas estariam paralisados em pelo menos ouros 35 pontos de rodovias federais.

Em quase todos, é possível encontrar caminhoneiros que divergem sobre a decisão de permanecer parado. As denúncias surgem de forma velada. Segundo eles, o movimento não é democrático e quem afirma que vai abandonar a paralisação, sofre com ameaças.

“Não tem liberdade de ir e vir, como eles falam. Tanto é que você vê caminhão de remédio e de combustível sendo escoltado pela PM, não é? Se houvesse essa liberdade que eles dizem que tem, eu ia seguir em frente. Mas, é só sair qualquer um que eles correm atrás, seja de carro ou de caminhão, e mandam parar. Teve até gente armada fazendo ameaça”, relata um caminhoneiro que preferiu não ser identificado.

Em outro grupo, um caminhoneiro também afirma que paralisou sob ameaças de ter o veículo vandalizado. “Não faz sentido eu estar aqui. Se a greve é dos autônomos, os autônomos que parassem. Eu não coloco um litro de combustível no meu caminhão, porque eu trabalho para uma empresa, ganho salário e comissão. Não que eu ache normal o preço, mas por que eu vou brigar por diesel?”, comenta.

E tem também quem afirme que a visão dos manifestantes é limitada. “Não consigo entender, pois estou num lugar que tem água, comida, tem até churrasco. Mas, minha senhora está em casa e não consegue comprar um tomate para dar de comer pros meus filhos. Não acho que isso esteja certo”, conclui.

Apesar da negativa de parte da categoria retomar a normalidade, a expectativa da AbCam é que nesta terça-feira a desmobilização da categoria seja percebida com mais intensidade.

“O nível da adesão [à desmobilização] está aumentando gradativamente. Estou aguardando posição do grupo que está fazendo o levantamento. Apesar de ainda não termos um número exato [sobre o total de caminhoneiros que já se desmobilizaram], dá para dizer que de 70% a 80 % já levantaram acampamento”, disse José da Fonseca Lopes, presidente da AbCam, à Agência Brasil.



  • Dinâmica e solução tecnologias9
  • Pax Primavera10