• Câmara Municipal2
  • Dinamica3

Operação da PF mira reforma em casa da filha de Temer


Por Globo

Foto: Agência Globo

A operação da Polícia Federal deflagrada nesta quinta-feira atinge suspeitas de pagamentos indevidos ao presidente Michel Temer (PMDB) por meio da reforma da casa de sua filha, feita pela arquiteta Maria Rita Fratezi, mulher do coronel João Baptista Lima, suspeito de receber propina em nome do peemedebista. O ministro Luís Roberto Barroso, do STF, determinou a intimação da arquiteta, além de ter mandado prender o coronel Lima e outros aliados do presidente.

A PF afirmou ao ministro Luís Roberto Barroso que há suspeitas envolvendo Maria Rita Fratezi, mulher do coronel João Baptista Lima, e a empresa na qual ambos são sócios, a PDA Projeção e Direção Arquitetônico.

"'Trata-se da empresa que realizou reforma de alto custo em imóvel da senhora Maristela Temer, filha do excelentíssimo senhor presidente da República. Há informações sobre pagamentos de altos valores em espécie", afirmou a PF na sua representação.

É a primeira prova de elo financeiro entre o coronel Lima e Michel Temer. A suspeita dos investigadores é que a reforma tenha sido paga com dinheiro de propina.

O imóvel investigado tem cerca de 350 metros quadrados e fica no bairro de Alto de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo. A casa foi adquirida em 2011 por Maristela, filha do presidente Michel Temer, e em 2014 passou por uma grande reforma. Maria Rita foi apontada por um dos fornecedores da obra como a responsável por pagar a ele R$ 100 mil em espécie.

Entre os 13 alvos da operação, batizada de Skala, estão outros amigos próximos de Temer: o advogado José Yunes e o ex-ministro da Agricultura Wagner Rossi, além do coronel. Também foram presos os empresários Antonio Celso Grecco, do grupo Rodrimar, e Celina Torrealba, do grupo Libra. As duas empresas atuam no Porto de Santos.

Para os investigadores, a peça central do esquema seria o coronel João Baptista Lima, amigo de Temer há mais de trinta anos.

“A Argeplan, agora oficialmente com o investigado João Batista Lima Filho como sócio, tem se capitalizado por meio do recebimento de recursos provenientes de outras empresas – as interessadas na edição do denominado Decreto dos Portos – e distribuído tais recursos para os demais investigados”, assinalou Barroso em seu despacho, com referência às investigações da PF.

A rapidez na deflagração da Operação Skala foi incomum: o pedido foi feito ao STF na segunda-feira, dia 26, Barroso autorizou a operação na terça-feira, dia 27, e os mandados foram cumpridos dois dias depois.

Segundo a PF, era necessário velocidade na operação, porque existiria "risco concreto de destruição de provas" devido à cobertura na imprensa do andamento do inquérito sobre Michel Temer (PMDB).

Para assessores de Temer, as prisões são 'perseguição política' ao presidente. Em Vitória (ES), Temer não fez nenhuma referência à operação durante a inauguração do novo terminal do Aeroporto da capital capichaba.

A decisão de Barroso foi tomada com base nas diligências do inquérito instaurado ano passado, a partir da delação da JBS, para apurar suspeitas de favorecimento da Rodrimar no Decreto dos Portos no governo Temer, como também informações do inquérito instaurado em 2011 a partir da denúncia da ex-mulher de Marcelo Azeredo, que presidiu a Companhia das Docas do Estado de São Paulo (Codesp), afirmando que Temer e Azeredo recebiam propinas de empresas que tinham contratos no Porto de Santos.


COMENTÁRIOS


  • Dinâmica e solução tecnologias9
  • Pax Primavera10