• Câmara Municipal2
  • Dinamica3

VÍDEO: câmeras flagram exato momento do acidente na Afonso Pena que matou Carolina

Acidente aconteceu na última quinta-feira (2)


Por Midiamax

Imagens de câmeras de segurança mostram o momento do acidente que terminou na morte da advogada Carolina Albuquerque, na última quinta-feira (2), quando a jovem teve o carro atingido pela camionete do estudante de medicina João Pedro de 23 anos.

Nas imagens é possível ver que as 23 horas, 7 minutos e 52 segundos, o carro de Carolina avança o sinal vermelho em frente ao shopping e acaba sendo atingido pela camionete do estudante de medicina, que estava em alta velocidade. Apesar do horário das imagens estar marcando 23 horas, o acidente aconteceu a meia noite de quinta (2).

Carolina acabou morrendo no local, após o carro em que estava ser arrastado por aproximadamente 100 metros de onde aconteceu a colisão. Seu filho de 3 anos, foi socorrido e levado para a Santa Casa de Campo Grande, com fratura na clavícula ficando quatro dias internado. João Pedro estaria embriagado, em alta velocidade e fazendo zigue-zagues na avenida, segundo testemunhas.

O delegado que cuida do caso Geraldo Marim disse que mais duas testemunhas serão ouvidas e que antes da colisão com o carro da advogada, o estudante teria batido o carro no meio-fio da Avenida Afonso Pena, o que comprova que ele estava em zigue-zague na rua.

Ainda de acordo com Marim na próxima semana pessoas que manifestaram nas redes sociais terem presenciado o acidente serão intimadas para depor. Os laudos necroscópicos da vítima, médico da criança e da perícia do vídeo são esperadas pelo delegado para a conclusão do inquérito. Dois celulares encontrados dentro da camionete do estudante também serão analisados. No dia do acidente, João Pedro, negou que teria ligado para seu pai, que teria mandado que o estudante saísse do local.

O estudante de medicina será indiciado por homicídio simples. João Pedro deixou a cadeia na última segunda-feira (6) ao pagar uma fiança de R$ 50 mil e a colocação de uma tornozeleira eletrônica.

Ele também teve de entregar o passaporte, e sua CNH (Carteira Nacional de Habilitação) foi suspensa, como também não pode deixar a cidade sem permissão e ainda terá de se apresentar mensalmente à Justiça.

O acidente que terminou na morte da advogada aconteceu na madrugada de quinta-feira (2), na Avenida Afonso Pena em frente ao Shopping Campo Grande. Ao delegado Enilton Zalla, João Pedro teria dito que não estava bêbado e que dirigia no máximo a 70 km/h.

João Pedro afirmou que fugiu do local do acidente porque teria sido ameaçado e chamado de assassino por testemunhas que estavam no local, porém, a versão do suspeito é contestada.

Fraude processual

João Pedro ainda pode responder por fraude processual de um acidente ocorrido no início do ano em que o pai do estudante teria ‘assumido’ a culpa. O acidente teria acontecido na rotatória da Avenida Tamandaré e Euler de Azevedo.

Segundo a delegada Cristiane Grossi de Araújo da 7º delegacia de polícia, as investigações sobre uma possível fraude serão feitas e não há dia para que o pai de João Pedro seja ouvido para esclarecimentos do caso.

assista o vídeo



  • Dinâmica e solução tecnologias9
  • Pax Primavera10